sexta-feira, 28 de abril de 2017

Quero Ser Livre


“Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte.” (Pv 14:12)

Nós temos anseio por liberdade. Desde cedo, a criança demonstra sinais que deseja dar uma escapadinha e trilhar seu próprio caminho. Todavia, logo em seguida, ao se deparar com uma situação de perigo ou abandono, busca proteção de seus pais. O tempo vai passando e a criança começa a contar suas primeiras mentirinhas, pratica suas primeiras desobediências. O papai ou a mamãe ordena que seja cumprida tal tarefa, mas ela finge que não ouve ou persiste na desobediência. O tempo passa mais uma vez, para a adolescência e o menino e menina começa a desejar conhecer o mundo, novas amizades, novas tribos, novas idéias. O anseio da maioria desses jovens é seguir seu próprio caminho. Dispensa os sermões e ensinamentos dos pais, pois, afinal, o que os adultos sabem mesmo, não é? Não vêem a hora de completar dezoito anos, ou terem condições de mandarem em seus próprios narizes. Nós somos teimosos e desobedientes por natureza, buscamos fazer o que der na telha, muitas vezes não compreendemos e não aceitamos que todas as nossas ações terão consequências, boas ou ruins.

Esse comportamento vem da fundação do mundo, quando Deus criou Adão e Eva. Viviam no paraíso. Tinham do bom e do melhor. Como diria um irmão, “só o mi”. Deus andava pelo Éden na viração do dia, na tardezinha. Deus entregou um único mandamento, não comerei do fruto da árvore que está no meio do jardim (Gn 2:17; 3:3). Mas, o homem decidiu desobedecer a Deus, mandar em seu próprio nariz. O casal deu ouvidos a serpente e comeram do fruto.Quando questionados por Deus acontece algo interessante: Adão joga a culpa em Eva. Eva, por outro lado, culpa a serpente. Esta desobediência trouxe o pecado ao mundo. Por um único mandamento quebrado, toda a humanidade sofreu. Todos pecaram (Rm 3:23). Todos estão destituídos da Glória de Deus. Todos estão mortos em seus delitos. Nossas ações têm consequências. 

Por isso o mundo vive com tanta violência, mentiras, roubos. Por isso os homens não querem saber de Deus. Muitas pessoas se iludem dizendo: “Posso fazer o que quiser da minha vida. Ninguém pode me julgar, somente Deus”. Se Deus é bom, ele vai me perdoar dessas puladas de cerca que dou. De fato, Deus irá julgar. Deus vai separar aqueles que creem Nele e os que não creem. Uns irão para o céu. Outros para o inferno. E o caminho que decidirmos trilhar, irá nos conduzir a um ou a outro. 

Na verdade, não há liberdade, como as pessoas costumam pensar. Ou somos escravos do pecado ou escravos de Cristo. Mas a servidão a Cristo, o Senhor mesmo diz, é leve, seu fardo é leve. O salário do escravo do pecado é a morte. O dom gratuito de Deus é a vida eterna. Se crermos em Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas, se preferirmos andar segundos os preceitos Divinos e não segundo nosso próprio querer, se guardarmos seus mandamentos, seremos Salvos. Porque Cristo morreu na cruz por nossos pecados. A ira de Deus que deveria ser derramada em nós foi derramada em Cristo. Pelo Seu sacrifício, todos aqueles que crerem Nele, antes mortos em seus delitos, terão vida eterna.  

Há caminhos que parecem certos aos homens, mas seu fim é de morte. Há somente um caminho para a vida eterna: Jesus Cristo. O caminho é estreito, porém é o único caminho. Esse caminho não leva a morte, como o caminhar humano. Esse caminho leva a vida eterna! Esse caminho traz perdão de pecados. Aplaca a ira de Deus, nos santifica, nos torna justos. A salvação, antes impossível ao homem, agora, mediante a Graça e a misericórdia de Deus, através do sacrifício de Cristo é possível! Para Deus tudo é possível! Por mais vil pecador que sejamos, se andarmos no caminho que é Jesus, seremos salvos! Então, qual caminho iremos escolher? O nosso caminho que nos levará a morte, ou o caminho que é Cristo, que nos levará para perto de Deus e para a vida eterna?

Fernando Martin Gonçalves

MP Permite Registro de Crianças nas Cidades onde os Pais Residem


Até então, somente poderia constar na certidão municípios que tivessem maternidades. Alteração beneficia as famílias e as regiões que ficaram décadas sem registrar nascimentos

A Medida Provisória 776/2017 publicada nesta quinta-feira (27) no Diário Oficial da União (DOU) vai beneficiar milhares de famílias e regiões brasileiras que ficaram décadas sem registrar nascimentos. A partir de agora, os pais poderão escolher entre registrar o local de sua residência ou o local de nascimento da criança. O texto, assinado pelo Presidente da República, Michel Temer, altera a Lei nº 6.015/73, que dispõe sobre os registros civis públicos.

“Até então, por força de lei, os pais eram obrigados a registrar os filhos na cidade de nascimento, ou seja, nos municípios que contam com maternidades. Agora, eles também podem optar por registrar as crianças na cidade onde a família mora, o que não era permitido”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Com a iniciativa, além de beneficiar o lado emocional e estimativo das pessoas, o Governo Federal poderá controlar melhor as natalidades, os dados de epidemiologia e mapear todos os municípios brasileiros para desenvolvimento de ações e políticas públicas, facilitando o trabalho de acompanhamento por parte dos profissionais que atuam pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, além de beneficiar as famílias, inciativa atende a um pedido antigo dos municípios que não tem maternidades e, a partir de agora, poderão registrar nativos de sua localidade. A Medida Provisória já tem validade e, a partir desta quinta-feira, os cartórios estão autorizados a receber e registrar as crianças nas cidade onde os pais residem.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Como Restaurar sua Fé


Às vezes, quando você se depara com situações difíceis, você pode perder sua fé. Pode sentir que Deus não está escutando ou simplesmente não se importa. 
No entanto, é importante lembrar que: "...a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. Hebreus 11:1"

Também é importante perceber que há um poder trabalhando em seu nome, mesmo quando você não pode vê-lo. Mas quando você aprende a confiar, apesar de suas circunstâncias, você verá que sua fé ainda está intacta, você só tem que segurar. 
Você apenas tem que fazer a escolha de acreditar. Quando você encontra-se com pouca fé, aqui estão cinco maneiras que podem restaurar a sua fé.

Orar

A oração é a chave que abre a porta. Dê a Deus um tempo de comunhão. 
Tenha fé no que está orando e acredite que isso acontecerá. Ore por sua família, sua comunidade e pelo bem-estar do mundo.

Aprenda a ser grato

Olhe ao redor para as pessoas em sua comunidade. Pense quão afortunado você é ter todas as necessidades básicas, tais como; o alimento, o abrigo, o dinheiro ou um trabalho. 

As pessoas sem-teto não têm metade do que você tem. Aprenda a apreciar pequenas bênçãos.

Fale com Alguém Espiritual

Falando com alguém que tem seguido na mesma estrada, elas podem te ajudar na sua situação. 
Essas pessoas podem ajudá-lo a reconstruir sua fé, oferecendo alguns conselhos práticos.

Reveja o passado

Pense no tempo quando você estava passando por uma situação difícil. Pergunte a si mesmo: Como eu saí dessa situação tão difícil? 

Você precisava de fé para sair e você a usou, se você reconhece ou não isso.

Seja mais forte agora

Olhe para o seu presente, veja o que você tem. Todo dia está cheio de promessas e esperança. 

Tenha fé e saiba que "... todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Romanos 8:28"
Acredite em si mesmo, e saiba que você pode fazer todas as coisas. E acredite nisso: O que não quebra você só faz você, e sua fé, mais forte.

http://www.beliefnet.com/faiths/galleries/how-to-restore-your-faith.aspx

Em um mundo de tantas desesperanças e contradições, de baleias azuis e 13 Reasons why?  E tantas outras mazelas,  onde as pessoas estão perdendo a alegria de viver e a capacidade de se alegrar.

Mais do que nunca precisamos de alguém em quem realmente possamos depositar a nossa confiança e fé e essa pessoa é o nosso Deus, que apesar de sua grande, escolheu amar a mim e você, apesar de todas as nossas imperfeições. 

Que Deus nos abençoe.

Do Blog.

13 Reasons Why, Jogo Baleia Azul: o Suicídio e a Influência da mídia


O Suicídio e a Influência da mídia

O tema Suicídio tem ganhado grande repercussão em todo o mundo gerando polêmicas e muita reflexão sobre como devemos lidar com um assunto tão delicado e cheio de tabus. No último dia 07 de abril a OMS convidou a todos para falarem sobre Depressão na campanha Let's Talk, uma iniciativa que se mostrou muito positiva por permitir que mesmo pessoas que nunca tiveram Depressão nem conhecem alguém com a doença possam pensar sobre isso e ter mais empatia por quem sofre com algum tipo de transtorno de humor.

13 Reasons Why

O fato foi que a discussão não parou por aí. Com o lançamento da série 13 Reasons Why, da Netflix, o modo como o suicídio é visto foi mais uma vez colocado em xeque e muitas críticas foram feitas ao enredo do seriado. Para começar, a temática central da série vai contra recomendações feitas pela própria Organização Mundial da Saúde quanto à forma com o qual o suicídio não deve ser retratado em obras de ficção. Com a descrição de métodos usados para dar fim à própria vida, a romantização do ato e a sugestão de que ele seria a única alternativa para a personagem da série, 13 Reasons Why estaria prestando um deserviço à população, colocando em risco grupos de risco e até mesmo incentivando jovens a tomarem atitudes semelhantes, caso se vissem numa situação desfavorável.

Jogo Baleia Azul

Acha que já foi o suficiente? Pois tem mais… outra novidade no Brasil vem tirando o sono de muitas mães e psiquiatras: o Jogo Baleia Azul. Com criadores russos, o jogo se baseia na crença de que as baleias azuis são capazes de cometer suicídio indo voluntariamente até a praia, onde ficam encalhadas e acabam morrendo. Partindo disso, ele propõe aos jovens uma série de tarefas que incluem passar a noite acordado ouvindo músicas tristes e fazer cortes no braço na forma de uma baleia. O mais preocupante é que a última tarefa do jogo propõe que o seu usuário tente acabar com a própria vida, o que já tem feito centenas de vítimas em todo o mundo.

Embora nem todos saibam, o Suicídio é um assunto muito sério que deve ser sempre tratado e abordado por pessoas que realmente entendem do assunto. Infelizmente ainda existem muitos mitos e preconceitos que dificultam e muito a vida de quem tem pensado em acabar com a própria vida e não sabe como buscar ajuda. O fato é que, tentar popularizar o tema através de meios que acabam servindo de incentivo e apologia ao suicídio está longe de ser algo aceitável.

Existem muitas pessoas que realmente sofrem por tentar enfrentar diariamente o inimigo invisível dos transtornos psiquiátricos. Tratar deste tema com respeito e responsabilidade é o mínimo que devemos fazer para garantir que mais pessoas não tenham o seu sofrimento aumentado ou percam a vida ao invés de serem ajudadas.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Campanha de vacinação contra gripe começa nesta segunda e inclui professores


Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza começa nesta segunda-feira (17), anunciou o Ministério da Saúde em coletiva de imprensa nesta quinta-feira. Este ano, a novidade é a inclusão dos professores da rede pública e privada no público alvo, com direito a receber a imunização gratuitamente no SUS. A campanha vai até 26 de maio e o dia de mobilização nacional está marcado para o dia 13.

A meta é vacinar 54,2 milhões de pessoas em todo o país. Crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto), idosos, profissionais da saúde, povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade continuam fazendo parte do público-alvo.

A contraindicação é para quem tem alergia severa a ovo.

Vacina protege contra três subtipos

A vacina disponível no SUS protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no país: A/H1N1; A/H3N2 e influenza B. Segundo o ministério, 60 milhões de doses de vacinas foram adquiridas, das quais 21,1 milhões de doses já foram distribuídas aos estados.

Os grupos prioritários devem se vacinar todos os anos, já que a imunidade contra os vírus cai progressivamente. Além disso, o vírus da gripe passa por mutações frequentes. Por isso, todo ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) faz uma previsão de quais serão os vírus Influenza que devem circular no inverno do hemisfério norte e do hemisfério sul com base em amostras de pacientes coletadas em centros sentinela distribuídos em todo o mundo.

Com base nessa informação, a Anvisa determina qual deve ser a composição da vacina daquele ano, informação usada pelos laboratórios que produzem a vacina no Brasil. O processo de desenvolvimento da vacina é complexo e leva, em média, 6 meses. A vacina de Influenza trivalente de 2017 contém os seguintes vírus:

Influenza A (H1N1), subtipo Michigan/45/2015

Influenza A (H3N2), subtipo Hong Kong/4801/2014

Influenza B, subtipo Brisbane/60/2008

Já a vacina de Influenza tetravalente contém, além dessas três cepas, o vírus Influenza B, subtipo Phuket/3073/2013.

Número de casos foi alto em 2016

Em 2016, houve 12.174 casos confirmados de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por influenza no país. A SRAG é uma complicação da gripe. Houve ainda 2.220 mortes, número alto em comparação a anos anteriores. Do total de óbitos, a maioria (1.982) foi por influenza A/H1N1. Este foi o maior número de mortes por H1N1 desde a pandemia de 2009, quando 2.060 pessoas morreram em decorrência do vírus no Brasil.

Em 2017, já foram registrados 276 casos e 48 mortes no país.

Veja quem recebe a vacina pelo SUS

Crianças de 6 meses a 5 anos

Gestantes

Puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto)

Idosos

Profissionais da saúde

Povos indígenas

Pessoas privadas de liberdade

Portadores de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade

Professores de escolas públicas ou privadas